|  arenitos  |  argilito  |   calcários  |  chert  |  conglomerado  |  folhelho   |  ritmito  |  siltito  |  tempestito   |  turbidito  |

folhelho

Os folhelhos são rochas que possuem grãos de tamanho argila. Diferenciam-se dos argilitos porquê possuem lâminas finas e paralelas esfoliáveis, enquanto os argilitos apresentam as argilas com aspecto mais maciço.

Amostra de folhelho, grãos do tamanho argila e lâminas finas e paralelas esfoliáveis.

Segundo Suguio (1980), as laminações dos folhelhos variam de 0,05 mm a 1 mm, e estas podem se manifestar sob as seguintes formas: 

- alternância de partículas mais finas e mais grossas, por exemplo argila e silte;

- materiais mais claros alternados com materiais mais escuros, e carbonato de cálcio em alternância com silte; 

- a combinação dos fatores acima citados.

Os folhelhos são originados de rochas expostas ao intemperismo e erosão, sendo os sedimentos detríticos depositados em áreas baixas e planas dos continentes e oceanos. Com o acúmulo dos depósitos sedimentares, os mais antigos vão sendo soterrados em profundidade, ocorrendo então a diagênese, ou litificação. Em virtude da granulação muito fina, as rochas são muito suscetíveis a rearranjos mineralógicos, originando alguns minerais autigênicos, isto é, grupos de minerais formados durante a sedimentação ou na fase de diagênese precoce, podendo então indicar as condições físico-químicas dos ambientes de sedimentação. Esse rearranjo seria provavelmente a principal causa da litificação dos folhelhos.

Segundo Suguio (1980), a composição dos folhelhos pode variar de acordo com a rocha à que estes estão associados, assim como a coloração, do vermelho amarronzado ao preto.

Os folhelhos normalmente derivam de dois tipos de ambientes: marinho (ricos em clorita e argilas do grupo da illita) ou de água doce (enriquecidos em montmorilonita). 

A composição das rochas associadas pode variar bastante, sendo controlada pelo tectonismo ou geomorfologia da bacia sedimentar onde se encontram. Folhelhos ligados a grauvacas são micáceos ou cloríticos, associados a arcósios são ricos em caulinita, etc. 

Os folhelhos negros são muito ricos em matéria orgânica de (3 a 15%), e desagregam-se em lascas finas, semiflexíveis e altamente físseis. Os folhelhos comuns apresentam menos de 1%. Sulfetos, como a pirita, aparecem com freqüência em sua composição mineralógica, e são raros os fósseis encontrados. 

Os folhelhos silicosos são caracterizados pelo alto teor de sílica, cerca de 85% de sua composição (o teor médio é de 58% de SiO2). 

Os folhelhos aluminosos são assim chamados quando excedem 22% de Al2O3 (a média de alumina é de 15,4%). Sua origem ainda é motivo de discussões no mundo científico.

Os folhelhos calcíferos  são ricos em CaCO3, originado por precipitação química ou fragmentos de carapaças calcárias de organismos. Com o aumento do carbonato nos folhelhos, a fissilidade tem diminuição gradativa, passando para marga e calcário argiloso. 

Observações - Os folhelhos são importantes economicamente, por exemplo, o folhelho oleígeno que é uma fonte potencial de hidrocarbonetos.  O folhelho é um importante isolador (rocha selante), que retém o petróleo na rocha reservatória impedindo o fenômeno da exudação (escape do petróleo para a superfície).

©Fábio Braz Machado