anfibolito  |  ardósia  |   cataclasito  |  eclogito  |  escarnito  |  filito   |  gnaisse  |  gondito  |  granulito  |  hornfels   |  itabirito  |  mármore  |  meta-conglomerado  |   migmatito  |  milonito   |  quartzito  |   serpentinito  |  xisto  |

 rombul3a.gif (120 bytes) estruturas rombul3a.gif (120 bytes) | rombul3a.gif (120 bytes) texturas rombul3a.gif (120 bytes) | rombul3a.gif (120 bytes) nomenclatura rombul3a.gif (120 bytes)

migmatito

Foto da rocha

Fotomicrografia

gnaisse.gif (66834 bytes)

Migmatito dobrado rico em leucossoma (parte clara).

Alternância de leucossoma (parte clara rica em quartzo) e melanossoma (parte escura rica em piroxênio), aumento 8x.

Mineralogia principal - quartzo, feldspato potássico, plagioclásio, biotita, hornblenda, epidoto

Constituintes menores - apatita, granada, zircão, muscovita, etc.

Estrutura - migmatítica diversas

Texturas - granolepidoblástica, granoblástica

Tipo de metamorfismo - metamorfismo dinamotermal

Fácies metamórfica - anfibolito a granulito

foto.gif (667 bytes) Galeria de fotos - clique

Principais rochas pré-metamórficas - Pode ser orto ou para derivada.

Observações - Trata-se de uma rocha híbrida gerada em temperaturas muito elevadas, desenvolve-se nos limites da transição para o campo de geração das rochas ígneas, quando então ocorrem processos de fusão parcial. Apresenta porções metamórficas, e porções ígneas, cristalizadas a partir do material fundido.
     A parte mais antiga, de aparência xistosa é denominada paleossoma, e a mais jovem constitui granitóide, e é denominada de neossoma. Distingue-se também no neossoma, o leucossoma, a parte mais clara, rica em quartzo e feldspato e ainda o melanossoma, que contém os minerais escuros como biotita, hornblenda e outros e o mesossoma, mistura entre o leucossoma e o melanossoma.
     Pode ser amplamente utilizada no ramo da indústria de rochas ornamentais.

©Fábio Braz Machado