Prof. Dr. Heinz Ebert

Galeria de fotos

                    O Doutor  Heinz  Ebert  nasceu  em  1907, a 13 de outubro, na   Saxônia, Alemanha, trinta   e um anos depois da fundação da Escola de Minas. Sua formação básica foi de química, física e química analítica; foi Geólogo do Serviço Básico da Prússia; Doutor em Ciências, pela Universidade de Leipzig; Livre- Docente na mesma Universidade em 1934; e premiado pela Universidade de Leipzig e pela Academia de Ciências. Como Petrógrafo do Serviço Geológico da Saxônia, criou métodos de reconhecer sequências estratigráficas por análise estrutural e petrográfica.

                   Em 1934, se instalou no Brasil o chamado Departamento Nacional da Produção Mineral, órgão máximo da Geologia no Brasil. De 1950 a 1956, como Geólogo Especializado da D.G.M., que evoluiu do velho Serviço Geológico do Brasil, mapeou a região de São João Del Rei a Juiz de Fora e Barbacena, toda uma região metassedimentar e dificílima do sul de Minas.

                   De 1939 a 1946 a guerra interrompeu suas atividades geológicas. Voltando à geologia, abriu um escritório de Geologia Aplicada (águas subterrâneas, sondagens, geologia econômica, geologia para represas, etc.).

                 

Prof. Dr. Heinz Ebert

Mural do Prof. Dr. Ebert instalado no museu

 

          Foi Professor em Recife, tendo influído na estauração da CAGE ( Campanha de Formação de Geólogos ). Ensinou Mineralogia e Petrografia em vários Cursos e escolas do nordeste.

          Em 1959, no Simpósio das Guianas, apresentou  importantes trabalhos sobre o Cristalino Brasileiro. Foi Conselheiro da SUDENE, formando técnicos em águas subterrâneas de zonas cristalinas.

          Em 1962 mudou-se para Rio Claro,  passando a lecionar  várias disciplinas do campo das Geociências, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, atual Universidade Estadual Paulista (UNESP). Continuou atento ao sul e sudoeste de Minas, continuando suas pesquisas nessa região. Fez várias viagens ao exterior, trazendo para o Brasil o fruto de suas observações e contatos.

        Formou em Recife vários alunos de pós-graduação. Examinou concursos Catedráticos, de Livres-Docentes, de Doutores, em várias universidades, aprimorando, assim, o corpo docente brasileiro. Publicou cerca de 60 trabalhos de grande valor conceitual nas Geociências, sobretudo no Brasil.

         

       

          Em 1974 ganhou a medalha de ouro "José Bonifácio", o maior prêmio da Geologia Brasileira.

bverde.gif (1205 bytes)

                   

©Fábio Braz Machado