hornblenda

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de hornblenda

Direções ópticas e cristalográficas

Fórmula Química - Ca2Na(Mg,Fe)4(Al,Fe,Ti)AlSi8AlO22(OH,O)2
Composição -
  A composição varia de acordo com as relações entre Ca/Na, Al/Fe3+, Mg/Fe2+, OH/F e Al/Si gerando inúmeras subespécies.
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismático

Subespécies -

tschermakita - Ca2Mg3(Al,Fe3+)2Si6Al2O22(OH,F)2.
edenita - (Ca,Na)2(Mg,Fe,Al)5Si7AlO22(OH)2. De Edenville, Nova Iorque (USA).
pargasita - (Ca,Na)2(Mg,Fe)4AlSi6Al2O22(OH)2. De Pargas (Finlândia). Pode ser considerada como uma variedade sódica de hornblenda, com colação verde a azul.
hornblenda basáltica - (Ca,Na)2-3(Mg,Fe)3-2(Fe,Al)2-3O2Si6Al2O22. (Sin.: Hornblenda marrom, oxi-hornblenda ou lamprobolita). Variedade de hornblenda caracterizada por alto conteúdo de sesquióxidos, principalmente Fe e Ti. Ocorre em basaltos (daí a denominação) e em outras rochas vulcânicas.

Propriedades Ópticas - Biaxial negativa e positiva

Hábito -
Prismático, acicular, fibroso ou granular
Clivagem - 
Perfeita em {110}
Dureza -
5 - 6

Densidade relativa -
2,9 - 3,5
Brilho -
Vítreo
Cor -
Incolor, verde ou castanho

Associação -
 Mineral comum, associado a minerais de rochas do tipo graníticas, peridotitos, gabro hornblendíticos, dioritos, tonalitos, sienitos, monzonitos e granodioritos.
Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo seu traço amarelo-acinzentado ou castanho a vermelho, cor, hábito e propriedades ópticas.  
Ocorrência -
É um mineral frequente em rochas ígneas e metamórficas, estando também amplamente distribuido em sedimento detríticos
Usos - Pode ser usada como pedra estatuária e seu pó, como inerte para veículo de inseticidas. Quando bem cristalizada pode ser usada como gema.

Mineral Anterior Voltar para Anfibólios Próximo Mineral

©Fábio Braz Machado