Clique no mineral desejado


multimídia
((clique))
MICAS CLORITA ARGILAS
biotita clorita alofano
estilpnomelano peninita apofilita
flogopita prehnita caulinita
fuchsita

talco

halloysita
lepidolita zinwaldita montmorillonita
margarita SERPENTINAS nontrolita
muscovita antigorita saponita
paragonita crisotilo sepiolita
pirofilita lizardita vermiculita

Os filossilicatos constituem um grupo de minerais, com grande importância para a geologia, pedologia e para a indústria. São constituintes essenciais de muitas rochas metamórficas, magmáticas, sedimentares e dos solos. Resultam de processos metamórficos, magmáticos, hidrotermais, diageneticos e intempéricos, sendo usada na indústria como carga, matéria-prima para cerâmica, desodorizantes etc.

A palavra filossilicato deriva do grego phylon, que significa folha, uma vez que todos os membros desse grupo possuem hábito achatado ou em escama e clivagem basal perfeita a proeminente e as lamelas de clivagem (placas) são flexíveis elásticas ou plásticas, mais raramente quebradiças. De um modo geral, os filossilicatos exibem dureza baixa, normalmente inferior a 3,5, na escala Mohs, e densidade relativamente baixa em relação a outros silicatos.

As peculiaridades mais marcantes dos filossilicatos representada principalmente pela divisibilidade, dureza e hábito, residem na estruturação desse grupo de minerais, que é bastante numeroso. A estrutura constituída por tetraedros de silício compartilhados, em duas dimensões, formando uma folha, onde três dos quatro oxigênios dos tetraedros SiO4 são compartilhados com os tetraedros vizinhos, levando a uma relação Si:O=2:5, que é denominada de "folha siloxama" ou simplesmente folha tetraédrica (T). Para a constituição dos minerais dessa classe as folhas tetraédricas são unidas a folhas octaédricas, constituídas por brucita [Mg(OH)2] ou gibbsita [Al(OH)3], originando duas famílias ou clãs, denominados respectivamente de trioctaédrica e dioctaédrica.

Dentre os minerais de argila o importante grupo das montmorillonitas ou esmectitas, pode ser derivado da estrutura da pirofilita, mediante a inserção de folhas de água molecular contendo cátions livres, entre as camadas triplas T-O-T da pirofilita. Como as folhas de pirofilita, normalmente estão desprovidas de carga, elas podem expandir-se muito, apresentando capacidades extremas de intumescência pela umidade e grande capacidade de troca catiônica. De maneira idêntica a da esmectita, as vermiculitas derivam do talco pela inserção de água molecular entre as folhas triplas do clã trioctaédrico. Tanto os minerais do grupo da montmorillonita como da vermiculita, por terem a folha T-O-T, ou seja, duas camadas de tetraedros por uma de octaedro, são denominadas de 2 para 1 (2:1).

Dentre os filossilicatos, também existem membros transicionais entre os minerais do grupo da montmorillonita e das micas verdadeiras, devido à substituição fortuita do Si pelo Al, nas posições tetraédricas das folhas de pirofilita, sem agregar carga suficiente nas camadas triplas para produzir uma estrutura ordenada de mica com preenchimento de todas as posições catiônicas possíveis situadas entre as camada. Dessa forma, posições ocasionais de cátions, podem estar ocupadas, originando propriedades intermediárias entre as das argilas e as das micas. Este quadro pode complicar-se pela presença de água molecular, resultando o grupo da illita ou hidromica. Por outro lado, é bastante comum o aparecimento de uma ou mais espécie de argilo-minerais interestratificados, podendo até mesmo aparecer camadas de clorita e serpentina.

©Fábio Braz Machado